Restauração artística

Em outubro passado, durante o primeiro fim de semana do Chicago Architecture Biennial, o artista e ativista social Theaster Gates, revelou o seu mais recente empreendimento: o Stony Island Arts Bank. O projeto altamente alardeado envolveu a conversão de um edifício de banco abandonado na zona sul da cidade em um local público cultural, repleto de galerias, espaço para eventos e bibliotecas de livros, discos de vinil e slides antigos.

O Stony Island marca o mais recente de uma série de projetos de restauração por Gates no bairro de baixa renda de Greater Grand Crossing, onde os edifícios esfarrapaoas e as altas taxas de criminalidade prevalecem. Gates tem vivido e trabalhado na comunidade desde 2006, tornando-a sua musa e sua tela.

Arquitetura de Financiamento de Arte

Ao longo dos anos, em grande parte impulsionado por um desejo de proporcionar às comunidades o acesso às artes, o artista de 42 anos de idade, pegou estruturas em ruínas na área e as transformou em instalações culturais e habitações a preços acessíveis. Para ajudar a financiar esses projetos, ele usa materiais para criar obras de arte com uma mensagem social, as que depois ele vende a colecionadores. Uma de suas primeiras peças foi uma série de grandes estandes de engraxar sapatos feitos de madeira recuperada, o que ele mostrou em uma feira de arte Miami em 2009. Durante o evento, Gates, ofereceu-se para engraxar os sapatos dos transeuntes. Multidões se reuniram para assistir e as cadeiras foram vendidas rapidamente.

A abordagem incomum de Gates para fundir arte, preservação histórica e requalificação do bairro fez dele uma figura singular no mundo cultural. "Ele é um artista imobiliário, e não há muitas figuras na prática contemporânea que eu poderia descrever assim", diz Jonathan Solomon, chefe do departamento de arquitetura na Escola de Arte do Instituto de Chicago. Ele observou que os esforços de restauração de Gates não estão voltados a aumentar os valores das propriedades e impulsionar o desenvolvimento convencional. "Seu trabalho está voltado a unir as comunidades, ajudá-las a desenvolver recursos e [torná-las] vibrantes, saudáveis e sustentáveis", disse ele. "Fico muito animado que seu trabalho está concentrado em Chicago, e eu acho que é surpreendente para a cidade que ele está aqui."

Gates não é o primeiro artista a liderar projetos de revitalização urbana. Talvez mais notavelmente, Tyree Guyton começou a pintar grandes pontos brilhantes em casas decadentes na cidade de Detroit em 1986, dando origem ao famoso Projeto Heidelberg. Anos mais tarde, em Houston, o artista Rick Lowe e vários colaboradores compraram 22 casas decadentes e as converteram em moradias para artistas e mães solteiras. A empreitada, chamada de Projeto Row Houses, se expandiu e é amplamente vista como um bom exemplo de regeneração urbana, com citação do próprio Gates chamando-a de fonte de inspiração.

Artistas fizeram numerosos esforços de renovação urbana em cidades de todo o globo. Em Amsterdam, artistas começaram a ocupar um estaleiro antigo na década de 1990, que mais tarde evoluiu, tornando-se o destino cultural conhecido como NDSM Wharf. Em Praga, o escultor David Černý transformou um edifício industrial abandonado em 2007 no MeetFactory, um centro de artes com espaço para exposições, performances e exibições de filmes.

Além disso, há inúmeros exemplos de artistas que moraram em bairros arruinados e de baixa renda distritos, provocando o surgimento de cafés, galerias e outras amenidades desejáveis. "Projetos de regeneração liderados por artistas, tal como os projetos de Gates, são raros e provavelmente irão continuar a ser. Porém, os artistas podem ser, e frequentemente são, os principais componentes de esforços de revitalização liderados por outros", diz Storm Cunningham, um especialista em renovação comunitária e autor de A Economia de Restauração. "A arte é ótima em trazer diversos cidadãos em torno de algo que todos podem apreciar. É por isso que os artistas muitas vezes desempenham um papel catalisador, ajudando a desencadear novas formas de enxergar um lugar".

Revitalização e Reutilização

Gates está, sem dúvida, ajudando a mudar as percepções da zona sul de Chicago, mais conhecida por sua violência de gangues que seus marcos arquitetônicos. Um nativo da cidade, Gates, é formado em planejamento urbano e cerâmica e trabalhou como programador de artes para a Autoridade de Trânsito de Chicago. Em 2006, ele comprou uma casa pequena negligenciada em Greater Grand Crossing por US$ 18.000, a demoliu e a converteu na Archive House, um espaço para a realização de festas e armazenar material que coletou de empresas fechadas e arquivos indesejados. Dois anos mais tarde, ele comprou uma antiga loja de doces ao lado e equipou o espaço com materiais reciclados, tais como pistas de madeira de uma pista de boliche desativada e lousas descartadas de uma escola. Ele chamou o projeto de a "Listening House", uma referência aos álbuns que tinha adquirid de uma loja de discos fechada.

Ele então reabilitou um projeto de habitação pública em colaboração com a autoridade habitacional da cidade e um desenvolvedor privado. O Dorchester Art + Housing Collaborative dispõe de 32 unidades residenciais, um centro de artes e um pátio para comunidade. Gates também adquiriu uma planta de distribuição de cerveja, que ele converteu em seu estúdio pessoal, e o Black Cinema House, onde ele exibe filmes e oferece aulas de cinema, todos focados na diáspora africana. A organização sem fins lucrativos Rebuild Foundation, que Gates criou em 2010, ajuda a curadoria da programação por suas propriedades, a programação que "cresceu fora de energia, entusiasmo e vida de Theaster como artista aqui na zona sul", disse Ken Stewart, CEO da fundação.

O Stony Island Arts Bank tem sido descrito como o mais ambicioso projeto do artista até à data. Gates há tempos estava de olho no prédio do banco neoclássico de 17.000 pés quadrados, construído em 1920 e desocupado décadas atrás. Em grande parte devido ao apoio do prefeito de Chicago Rahm Emanuel, Gates, foi capaz de adquirir o edifício condenado por US$ 1 em 2012, com a expectativa de que ele iria gerar o financiamento necessário para estabilizá-lo. Para esse fim, Gates usou mármore recuperada do edifício para fabricar uma edição limitada de pequenos blocos, em que ele gravou as palavras "In Art We Trust". Ele vendeu o "Bank Bonds" na Art Basel na Suíça por US$ 5.000 cada. O projeto de restauração US$ 4.5 milhões também ganhou um novo impulso a partir de doações individuais e do Fundo de Empréstimos da Comunidade da Chicago.

A arte é ótima em trazer diversos cidadãos em torno de algo que todos podem apreciar. É por isso que os artistas muitas vezes desempenham um papel catalisador, ajudando a desencadear novas formas de enxergar um lugar.

Quando o Stony Island Arts Bank foi inaugurado, foi amplamente elogiado pela imprensa e líderes cívicos. Michelle Boone, comissária de assuntos culturais e eventos especiais de Chicago, disse que cresceu no bairro e sentiu-se muito emocionada ao ver o reavivamento do edifício em ruínas. "Sentar aqui, neste espaço, cercada por tanto patrimônio cultural e beleza, é realmente significativo", disse Michelle.

Embora muitas vezes a a arquitetura tenha um aspecto "intelectual", que pode deixar as pessoas de fora, Gates disse que ele tem apreciado o poder da arquitetura de transcender as fronteiras e fortalecer as comunidades. "É um envelope que pode levar o alto e o baixo, o internacional e o próprio local, os ricos e os pobres", disse ele. "É quando as coisas começam a fundir em realmente belas formas que passamos a ter arquitetura redentora."

Artigos Relacionados